Viagem no Tempo inspira obra de ex-aluno da FIEB - ITB
13/08/2018 - 12h48

“Vende-se este Futuro” aborda uma teoria da conspiração envolvendo Charles Chaplin. O autor Bruno Miquelino, ex-aluno da FIEB – ITB, conta que foi a fundo na vida de Chaplin e dos contos de ficção científica para compor seu trabalho

20180813_livro_site

Imagine se um viajante do tempo transitasse entre as eras para convencer celebridades a forjarem a própria morte e assim viver no futuro para adquirirem novas identidades longe dos holofotes e de problemas. Achou interessante? Esse é o enredo do livro “Vende-se este Futuro”, de Bruno Miquelino, lançado no último mês pela editora Novo Século e disponível nas livrarias, incluindo no formato e-book. 

Miquelino é prata da casa, estudou o Ensino Médio na unidade do Jardim Belval da FIEB – ITB e se formou em 2003. Em depoimento, ele conta que seu romance teve como ponto de partida uma cena curiosa de bastidores do filme “O Circo”, de Charles Chaplin. Nela, uma mulher aparece segurando um objeto que aparenta ser um telefone celular, aparelho que não havia sido inventado na época. A cena, que nem está no longa de 1928, gerou uma série de discussões e teorias da conspiração sobre viagens no tempo. 

Teoria da Conspiração
“É uma grande teoria da conspiração que existe e construí um enredo inteiro em cima disso. Em 2112, uma empresa tem o trabalho de voltar no passado e buscar pessoas famosas que querem viver no anonimato, então, eles forjam a morte dessa pessoa, levam para o futuro e dão uma nova identidade para que ela siga sua vida. É uma coisa tipo: ‘Elvis não morreu, ele está no futuro’. A personagem principal, a Beatriz Prata, volta para o passado buscar o Charles Chaplin e ele diz para ela que não quer ir para o futuro, e ela fica presa em 1926. Mas para voltar para o futuro, ela precisa dele, e é aí que a aventura toda começa”, descreve o autor. 

Segundo Miquelino, trata-se de um livro ágil, cheio de ação e que demandou muita pesquisa histórica. Para a construção da trama, ele precisou estudar a figura de Charles Chaplin, seus gostos, suas ideias, além de outros fatos históricos, visto que a companhia “Déjà Vu”, citada no livro, está localizada em São Paulo. “Tem Getúlio Vargas e uma série de outras coisas que amarro e misturo na estória”, acrescenta.  

Próximos passos
Essa é a primeira obra de Miquelino. Ele revela que este é um sonho que tem desde sua infância, mas nunca tinha parado para se dedicar a escrever. Todo o processo de criação levou mais de um ano entre pesquisas e composição do texto. Embalado pelos resultados, o autor comenta que já escreve seu segundo livro que já está “no forno” e abordará a temática inicial de seu debut. “Diria que já fiz cerca de 30% dele, também nessa temática de viagem do tempo, mas não vai ser uma continuação, vai ser um livro separado”, assegura. 

Sucesso na Bienal
Embora a obra tenha poucas semanas desde o seu lançamento, ela pode ser considerada um sucesso. Na última Bienal Internacional do Livro, realizada entre os dias 03 a 12 de agosto, Bruno Miquelino foi um dos autores participantes. Ele revelou que até a sexta-feira (10), todos os exemplares estavam esgotados, e foi preciso correr para que o público tivesse acesso a mais livros para os últimos dois dias do evento. 

Adquira o livro
Interessou pelo trabalho? Você pode adquirir online por meio da editora Novo Século: http://www.gruponovoseculo.com.br/vende-se-este-futuro.html