FIEB promove tarde de autógrafos com vencedores de concurso de Cordel
11/12/2017 - 15h33

Evento está marcado para próxima quarta-feira, às 13h. Representando Barueri, 19 crianças foram selecionadas para produção de textos e ilustrações

Com objetivo de estimular a literatura de Cordel entre os jovens, a Fundação Instituto de Educação de Barueri (FIEB) promove na próxima quarta-feira, 13 de dezembro, uma tarde de autógrafos com os alunos participantes do projeto “Histórias que ganham o mundo”, que culminou na publicação de um livro com texto e ilustrações produzidos por estudantes de oito a 12 anos. O início do evento está marcado para às 13h na unidade Maria Theodora.

O resultado final contou com 19 crianças de Barueri, sendo elas estudantes da FIEB e da ONG CEPAC (Associação para Proteção das Crianças e Adolescentes). No total foram sete cidades com seus devidos representantes. Além de Barueri, as cidades de Barra Bonita, Maracaí, Paraguaçu Paulista, Ribeirão Preto, São José dos Campos e Tarumã também marcaram presença.

A elaboração do livro visou aproximar crianças da literatura de Cordel, incentivando a criatividade e produção de textos. A iniciativa ficou por conta da empresa Imagini, responsável pela produção. Já o patrocínio ficou a cargo da companhia de energia Raízen e do Programa de Ação Cultural (ProAc,) da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo.

No município, foram 11 textos selecionados e 11 ilustrações, porém, três estudantes levaram a melhor em ambas as categorias, entre elas, Maria Clara Freire Faccioli, de 10 anos, responsável pelo desenho da capa. Além dela, Bruna Lopes Rodrigues e Layse Virgínia Luz, foram selecionadas nas duas etapas. No quesito participação em textos, também foram selecionados os alunos: Enzo Maia Miekusz de Vasconcelos, Evellyn Cristina da Silva Harger, Kauane Araújo, Kauany Larissa da Silva, Larissa Kettelyn da Silva, Mirella Almeida Santos, Sergio Henrique Pedrosa Batista e Vinícius Pontes Rocha.

Já no critério de ilustrações, os representantes baruerienses escolhidos foram: Ana Júlia Valsi da Silva, Danielly Cristina Althen, Enzo Oliveira, Maria Fernanda Gonçalves, Maria Julia Joia, Natalia Adami de Oliveira, Pedro Fontes Barreto e Sarah Scarpa.

Para chegar à produção do livro, foi desenvolvido um processo que envolveu duas etapas. A primeira delas foi a realização de Oficinas de Cordel em cinco cidades (Barra Bonita, Barueri, Macaraí, Ribeirão Preto e São José dos Campos) para professores e interessados nesse tipo de literatura. As oficinas ofereceram recursos didáticos e atividades para despertar o interesse das crianças. A segunda fase foi a realização de concurso de textos e ilustrações de Literatura de Cordel para crianças de 8 a 12 anos.

“Cada participante, fosse professor ou agente da comunidade, habitou o desejo de transformar a vida de quem eles se sentem responsáveis, alunos ou crianças da comunidade. O cordel foi recebido de maneira tão carinhosa, reconhecido como ferramenta transformadora, elemento poético que fala à alma, fundamento da vida, que vi cumprir-se a fala do mestre Antonio Candido segundo a qual leitura, a literatura, a poesia, o livro e as bibliotecas são um direito fundamental dos cidadãos”, avaliou o professor Aderaldo Luciano, especialista em Cordel e palestrante do projeto.