“Vamos tornar nossos alunos verdadeiros pensadores”, sugere superintendente da FIEB
04/06/2018 - 14h28

Superintendente da FIEB, Luiz Antonio Ribeiro faz análise dos rumos do setor educacional após a realização do congresso internacional “Brincar 2018”, considerado o maior evento de educação infantil. “Vamos nos reciclar”, conclama o superintendente

20180604_super_site

Assisti a palestra do professor espanhol Dr. José Antonio Torres Gonzáles no BRINCAR 2018: Congresso Internacional de Educação Infantil e anos iniciais. Ele discorreu sobre “O Currículo e a Diversidade na Perspectiva da Educação Inclusiva”. Fomos convocados para refletir sobre os rumos da educação inclusiva e a atuação do docente em sala de aula. Indagou Torres: “Como o professor pode ensinar se ele não sabe como o aluno aprende? O professor deve refletir sobre a sua própria prática educativa, sobre a sua didática”. Trata-se de uma grande reflexão sobre a nossa atividade docente. Como estamos desempenhando o nosso papel perante os nossos alunos?

Precisamos, com muita coragem e humildade, nos despir da pseudo ideia de protagonista em sala de aula, da aura daquele que “tudo sabe” e nos autoavaliarmos se efetivamente estamos ensinando os nossos alunos (eles sim protagonistas no teatro da educação) dentro do contexto do “aprender”. Ou será que somos, simplesmente, meros “despejadores” de informações bibliográficas? Será que estamos “chegando lá” com a nossa missão? Sinceramente (sem receio de contestações) creio que não. Estamos grosseiramente falhando na missão de ensinar. Despejamos conceitos e mais conceitos, princípios e mais princípios e pouco nos importamos se o aluno (o ator principal da nossa peça “educar”) está entendendo o que de forma maçante e enfadonha falamos e falamos. 

Meus colegas professores tenhamos coragem e desçamos do pedestal da vaidade ignorante e míope e ouçamos quem um dia vai propagar a nossa voz. Vamos nos reciclar! Vamos jogar fora as “fichas amareladas e desatualizadas” que usamos para dar aulas. Deixemos de dar “aulas” cheias de regras a serem decoradas e transmitamos reflexões aos que nos ouvem. Vamos desenvolver pessoas que reflitam e criem senso crítico. Paremos de criar a massa de “repetidores” de conceitos e princípios. Façamos com que ela pense, reflita, conclua e aplique! Tornemos nossos alunos verdadeiros pensadores e elaboradores de ideias! Vamos fazer a diferença para uma geração diferente. 

Coragem. Muita coragem! É possível?

Luiz Antonio Ribeiro
Superintendente - FIEB